Deixar uma casa totalmente habilitada para receber uma visita ou morar uma pessoa que necessite de maior cuidado ao se locomover pelos cômodos requer atenção. Seja este um morador portador de necessidades especiais (PNE), diversas questões devem ser observadas para implantar as mudanças. Se você está com dúvidas sobre como planejar um imóvel mais acessível ou adequar o já construído, se ligue nas 6 dicas essenciais que devem ser observadas para garantir uma maior segurança, conforto e possibilidade de deslocamento.

1. Largura da porta: para um maior conforto aos cadeirantes a largura mínima de uma porta deve ser de 90 centímetros.

2. Largura dos corredores: quando o assunto é se locomover pelos corredores da melhor maneira possível, o essencial é que ele possua no mínimo 120 centímetros de largura, em um corredor pouco movimentado.

Corredor adaptado. Ambiente criado pelos arquitetos Neto Porpino e Nélia Chinelly Fay

Corredor com largura satisfatória, passagens amplas e barras de apoio. Ambiente criado pelos arquitetos Neto Porpino e Nélia Chinelly Fay

3. Altura máxima alcançada: para cadeirantes a altura máxima alcançada é de 135 centímetros, logo se deve projetar todos os móveis e até mesmo interruptores de luz, bancadas e camas para estarem em uma altura adequada.

Todas as adaptações são importantes, principalmente as alturas para que a pessoa tenha independência.

4. Uso dos corrimões em rampas e escadas: para uma melhor acessibilidade de cadeirantes e PNE aos andares, o corrimão deve ser sempre lembrado. Nas rampas o piso deverá ser antiderrapante e possuir uma largura mínima de 120 centímetros (se o fluxo na rampa for intenso opte por uma largura de 150 centímetros) assim o corrimão deve vir com uma altura máxima de 92 centímetros. Já o declive nunca deve exceder 8,33%. Em escadas, a largura mínima também é de 120 centímetros, com um corrimão também a no máximo 92 centímetros. Os degraus devem ter uma altura máxima de 18 centímetros e largura mínima de 28 centímetros. Para reformas e adequações a norma permite percentuais diferenciados.

rampa socorro

Croqui com medidas recomendadas pela norma para corrimão (1), piso táctil (2) e rampa de acesso (3) . Fonte: Blog Inclua-se

Nesta foto o piso da calçada não favorece a circulação da cadeira de rodas. Mas a rampa adaptada, na inclinação correta, é uma solução aceita.

Os espaços acessíveis também podem ser feitos com soluções arquitetônicas interessantes.

A rampa tem solução super interessante do ponto de vista arquitetônico, mas não prevê corrimão.

5. Banheiros apropriados: o banheiro deve ser um item muito observado na hora de realizar reformas ou construções de uma casa com acessibilidade. Os boxes individuais possuem um padrão de medidas pré-estabelecidos para auxiliar a construção de banheiros mais acessíveis. Nestes casos o ambiente deve ter no mínimo 150 cm x 170 cm (150 centímetros de largura por 170 centímetros de comprimento). Já as portas devem ter uma entrada livre de 80 centímetros e com abertura para fora. Um detalhe é que deve haver uma tranca no lado externo para casos de urgência. Os assentos também devem possuir uma altura máxima de 46 centímetros em relação ao piso. O banheiro deve possuir barras de apoio com comprimento mínimo de 80 centímetros, diâmetro de 3 centímetros e fixadas nas paredes laterais e a 30 centímetros acima do assento. A área destinada para o chuveiro deve ter dimensões mínimas de 90x95cm(90 centímetros de largura por 95 centímetros de comprimento).  Outro item é  o posicionamento do espelho, a base inferior deve estar no máximo a 90 centímetros do piso e a altura da borda superior deve estar a no mínimo 180 centímetros do piso acabado. Quando inclinar 10º o espelho em relação a parede a altura da borda inferior deve ser de no máximo 110 centímetros e a borda superior de no mínimo 180 centímetros do piso acabado.

Medidas para instalação dos equipamentos. Fonte: Portal Clique Arquitetura.

 

Banheiro para pessoas com necessidades especiais, projeto de Karina Vieiralves e Marina Casiraghi Marangon (Casa Cor Amazonas 2010)

Banheiro para pessoas com necessidades especiais, projeto de Karina Vieiralves e Marina Casiraghi Marangon (Casa Cor Amazonas 2010)

 

c7e797ead4d932d920b80d26bdfea2c3

Destaque para o espelho inclinado.

 

6. Móveis personalizados: para um melhor conforto dentro de casa, reformar os moveis é essencial. Uma boa dica é contratar empresas que trabalham com móveis planejados, pois além de ser um serviço personalizado também temos a possibilidade de soluções inovadoras, móveis bem estruturados, adequados e duradouros para todos os cômodos da casa.   O ideal agora é procurar os materiais necessários para a construção de cômodos mais acessíveis e procure um arquiteto ou designer que possa deixar sua casa mais acessível.

Soluções para armarios adaptados.

 

Closet projetado pelas arquitetas Ana Paula Devechi e Priscilla Belchior

quarto-para-cadeirante

A Arquitetura que promove a acessibilidade total ainda é uma desafio para os profissionais e um tema muito polêmico, mas é importante observar pelo menos os requisitos básicos. Afinal a arquitetura também deve ser obrigatoriamente funcional.

Gostou das dicas ou conhece outras essenciais para começar uma reforma? Mande nos comentários!