UM POUCO DE HISTÓRIA DAS EXPOSIÇÕES MUNDIAIS.

Essas exposições mundiais surgiram em 1851, em Londres, no Palácio de Cristal, dentro do Hyde Park sob o título “Grande Exposição do Trabalho da Indústria de Todas as Nações”. Essa foi a primeira exposição mundial de produtos manufaturados que viria a influenciar vários aspectos da sociedade, do comércio às relações internacionais, sendo a propulsora de outras, que mais tarde foram denominadas de exposições mundiais.

Os eventos visavam apresentar novos produtos, invenções, tecnologias e arquitetura em seus pavilhões, o que passou a ser uma das principais atrações dessas exposições, que abrigavam a cultura de cada país e as inovações tecnológicas, bem como soluções criativas para o seu tempo.

Foi nessas exposições que o elevador e o telefone foram lançados, por exemplo. A importância delas era tanta que a Torre Eiffel foi construída para e exposição mundial de Paris, em 1889. No Brasil, ela aconteceu em 1922, onde tivemos a primeira transmissão de rádio da história.

ALIMENTANDO O PLANETA, ENERGIA PARA VIDA. 

Sob esse título, a EXPO 2015 está sendo o maior evento sobre comida e nutrição, confronto de ideias e soluções acerca de alimentos do planeta. Tem a proposta de ser não apenas uma exibição ativa de 144 países em torno desse tema, mas busca oferecer respostas a essas perguntas vitais, por meio de debates sobre como nutrir o planeta de forma sustentável, justa e saudável para todos, afinal são cerca de 850 milhões de pessoas passando fome no mundo com 1,3 bilhão de toneladas de comida desperdiçada todos os anos, segundo dados da Unesco.

EXPO MILÃO 2015 – HORÁRIO, COMO CHEGAR, INGRESSO.

A EXPO 2015 vai até 31 de outubro, em Milão. Acontece em Rho, um município vizinho, a menos de 15 quilômetros do centro da cidade. Existem duas formas de se chegar até lá: de metrô linha vermelha estação Rho Fieira ou de trem metropolitano, que pode ser apanhado na estação República, próximo à estação central de Milão. Uma dica: nos trens vem escrito o sentido que você deverá tomar – Novara e Varese . Tanto o bilhete de metrô quanto o de trem custam € 2.50 cada, já a entrada para a EXPO € 39. Esta pode ser adquirida na própria EXPO.

EXPO MILÃO 2015 – O ESPAÇO E LOCOMOÇÃO.

Com uma área de mais de um milhão de metros quadrados, que se se estende sobre dois eixos, o Cardo e o Decumano, o pavilhão é completamente circundado por um canal e possui cobertura, que fornece abrigo da chuva e do sol ao visitante.

Os pontos cardeais são identificados por quatro ícones de identificação: a colina Mediterrânea, o teatro ao ar livre, o lago arena e o centro de exposições. No Cardo está localizado o pavilhão italiano, dividido entre área de exposição, comidas regionais e entretenimento. O Edifício Itália é reservado para reuniões governamentais e institucionais. O Decumano e a área central na frente dos espaços expositivos dos países, além de conter objetos, produtos e mercadorias, também têm exposições e eventos.

A grande novidade é o Grupo, espaço projetado para ser compartilhado entre países que não querem ter seu próprio pavilhão, permitindo que eles apresentem sua história, cultura e tradições.

Outro ponto de destaque são as áreas temáticas: o Distrito Alimento do Futuro, que apresenta uma perspectiva da cadeia de alimentos futuros; o parque das Crianças, uma área para jogos e conhecimentos inteiramente dedicada às crianças; o Parque da Biodiversidade, que reproduz a diversidades da vida em paisagens. O custo final para implantação do projeto foi da ordem de US$15 bilhões.

 Reserve uns três dias para conhecer e desfrutar da cultura e culinária, bem como conhecer a proposta de cada país que lá se encontra expondo. Caso não possa ver todos os pavilhões não deixe de visitar os do Brasil, França, Rússia, Japão, Emirados Arábes, Itália, USA, Polônia, além do Pavilhão Zero. Esses são os mais cobiçados da feira.

BRASIL EXPO 2015

Projeto do Studio Artur Casas, em parceria com o Atelier Marko Brajovic e Mosae Milano Open Studio, o pavilhão possui três andares totalizando 4 mil metros quadrados, com uma área de paisagismo e restaurantes. Utiliza a metáfora da rede: flexível, fluída e descentralizada, uma verdadeira experiência sensorial. Possui estrutura em aço corten, piso de madeira brasileira certificada e fachada de cortiça.

FRANÇA EXPO 2015

Projeto do escritório X-TU, o pavilhão possui um único andar e tem uma visão futurista de um mercado mais coeso e sustentável, onde os alimentos são cultivados, colhidos e vendidos no próprio local. Antes de entrar, o visitante passa por uma exposição de produtos cultivados no pavilhão. Construído em madeira, possui todo tipo de curvas, de côncavas a convexas. Possui 12 metros de altura e 3592 metros quadrados. Faz alusão ao mercado Francês e a torre Eiffel, construída na edição de 1889 da feira mundial

RUSSIA EXPO 2015.

Projeto dos arquitetos Sergio Tchoban, Alexei Llyin e Mariana Kuznetskaya, da SPEECH. Com uma área de 3260 metros quadrados, o espaço reflete a iluminação por meio de um balanço de 30 metros revestido de aço polido. A ideia central do projeto é a tradição da Rússia e da União Soviética nas feiras mundiais em três pavimentos, sendo o último uma grande varanda que avança para a rua principal, de onde se pode observar toda a feira. As instalações obedecem a várias técnicas construtivas das décadas de 20, 30 e do modernismo pós-guerra. Tem uma forma dinâmica, simples e memorável.

JAPÃO EXPO 2015

Concebido pelo arquiteto japonês Atsushi Kitagawara, o projeto apresenta uma mistura entre técnicas tradicionais da região, como o templo budista de Horyuji no século VII feito inteiramente de madeira e sem qualquer entroncamento ou suporte de metal. O espaço procura expressar a busca de produções alimentícias com soluções sustentáveis e diversificadas. É uma releitura das técnicas construtivas tradicionais, onde o uso de madeira tridimensional inova ao unir a cultura das construções em madeira com a tecnologia. São 17 mil ripas de madeiras encaixadas que ocupam uma área de quatro mil metros quadrados formando uma grade tridimensional. A base do edifício é dividida em dois andares, onde as instalações interativas se apresentam sob forma de efeitos especiais que transmitem sensações sensoriais.

EMIRATI ARABI EXPO 2015

O pavilhão projetado pela Foster + Partners traz os princípios das cidades planejadas do deserto, com suas ruas estreitas e pátios. O principal eixo de circulação é o Decamanus. A partir dele o visitante é atraído para um Canyon definido por paredes ondulantes de 12 metros, uma reinterpretação dessas cidades. As paredes continuam por 140 metros do terreno com uma série de ondas que expressam os cumes e as dunas do deserto. Uma rampa suave leva o visitante até ao auditório, seguido de várias exposições interativas e palestras digitais que comemoram Dubai como a cidade anfitriã da expo 2020.

ITALIA EXPO 2015

Projeto idealizado pelo escritório Nemesi, possui uma área de 27.000 metros quadrados e foi resultado de um concurso internacional que reuniu 68 participantes. Permanente, o Palazzo Itália alcança 35 metros de altura e é o ponto mais alto da Expo. É considerado um desafio arquitetônico pela complexidade e inovação em termos de materiais e tecnologia empregada: vidro fotovoltaico, concreto fotocatalíticas nas fachadas, concreto biodinâmico, 4.000 metros de tecido de cobertura e 400 toneladas de aço. O edifício se baseia em uma floresta urbana, com seus envelopes externos em sobreposição aleatória de galho de árvores em um bosque.

USA EXPO 2015

Projeto ficou a cargo do escritório nova-iorquino Biber Architects sob o título de American Food 2.0: United to Feed the Planet. Com uma área de 3600 metros quadrados, o espaço procura mostrar um modelo de produção de alimentos sustentável, a partir da fachada, que é uma fazenda vertical que se estende por toda a edificação. Painéis móveis são cultivados com água proveniente do sistema de coleta das chuvas. Na entrada, um grande deck dá às boas vindas aos visitantes. Feito de madeira reciclada, esse elemento se estende até o segundo pavimento. O terraço na cobertura conta com uma pavimentação translúcida e painéis solares. O interior tem como objetivo contar o passado, o presente e o futuro da alimentação dos Estados Unidos.

POLÔNIA EXPO 2015

Projeto foi feito pelo 2pm ARCHITEKCL. A ideia surgiu da importância dos pomares e à horticultura para a paisagem e a economia do país. Toda a edificação destaca a criação a partir de caixas de madeiras normalmente usadas para o transporte de frutas e seus derivados. No espaço, elas aparecem com nova função e revestem todo o prédio e seu interior. O projeto tem dois níveis: em micro escala, através do uso de paredes externas modulares e permeáveis com o uso das caixas. Já em macro escala, quando da ideia do pavilhão como forma de embalagem para apresentar a agricultura da Polônia.

PAVILHAO ZERO EXPO 2015 DIVINUS HALITUS TERRAE

O primeiro pavilhão, logo após a entrada da Expo, é de responsabilidade de David Rampello com arquitetura de Michele De Lucchi. Trata-se do espaço introdutório, que serve como trampolim para os temas e linguagens da exposição. É possível ter uma visão geral do tema alimentação e nutrição no planeta através da evolução da agricultura e pecuária. A sala da bolsa de alimentos, onde painéis são intercalados a monitores e filmes sobre alimentos do mundo são vinculados, foi o que mais gostei neste pavilhão.