Parintins, a Cidade dos Bumbás Garantido e Caprichoso! Esse é o tema do nosso Portas em Automático de hoje. Para falar sobre essa cidade, os bois, a cultura, convidamos um grande amigo, apreciador e apaixonado pelo Festival: Rodrigo Ribeiro. Manauara, torcedor do Garantido, designer gráfico e diretor de Tecnologia / Inteligência de Negócios na Tape Publicidade. Temos certeza que vocês irão curtir e descobrir muitas curiosidades sobre essa cidade amazonense.

Ritual da Tucandeira do Boi Garantido

Ritual da Tucandeira do Boi Garantido em 2015

Quando me convidaram para falar de Parintins, aceitei na hora. Já fui de lancha a jato, de monomotor, de bimotor, de Boeing. Desde 2000, são 15 anos ininterruptos viajando de Manaus para a ilha encantada. Não só para o festival mas também para acompanhar gravações de DVD e marcar presença na Alvorada do Boi Garantido, evento onde o boi sai às ruas com a sua batucada e amanhece cantando em frente à Catedral de Nossa Senhora do Carmo. Outras festas se destacam no município, como o Carnailha e a Festa da Padroeira que ocorre algumas semanas após o Festival.

Parintins fica a aproximadamente 370 km de Manaus. É uma cidade plana e muito agradável de conhecer a pé, inclusive, é a pé que eu mais gosto de conhecer novos lugares. Quem chega em Parintins de lancha, desembarca no centro da cidade, quem chega de avião desembarca no aeroporto Julio Belém e tem que ir de carro porque fica bem distante. Quem chega no centro já pode pegar um triciclo pra lhe levar até sua pousada. Triciclo é uma versão cabocla do Uber: mais barato que táxi, os condutores são quase sempre simpáticos, além de ecologicamente correto, é claro.

Eu em 2003, na frente da Grande Catedral de Nossa Senhora do Carmo

Eu em 2003, na frente da Grande Catedral de Nossa Senhora do Carmo

Hospedagem

Pode ser na própria rede do barco, pode ser no camarote do iate ou no quarto do hotel, mas quase sempre é mais gostoso na suíte do puxadinho das casas de muitos parintinenses. Já fiquei em mais de 10 casas diferentes e sempre é uma experiência incrível conhecer novas pessoas, novos costumes e é claro, o jeito alegre e acolhedor do parintinense. O projeto originalmente chamado de Cama & Café é a versão deles do Airbnb. 🙂

Fachada antiga na orla de Parintins

Fachada antiga na orla de Parintins

Comidinhas

Além do excelente café da manhã servido nas pousadas, em Parintins você encontra do X-caboquinho ao Frapuccino. Sempre uma boa pedida é passar no Mercado Municipal para tomar um café genuinamente amazonense ou aproveitar com bastante conforto a recém-inaugurada cafeteria no Supermercado Baranda com seus cafés refinados, além de doces e salgados para todos os gostos. Ambos, bastante concorridos durante o festival.

Dona Maria é a tacacazeira mais famosa da ilha, fica na Avenida Amazonas, a Main Street da Ilha, uma espécie de Quinta Avenida Tupinambarana. Na Avenida Amazonas, encontramos também o Pedaço de Paz, uma peixaria imperdível praticamente dentro do Rio Amazonas, onde você pode saborear um tambaqui na brasa, um creme de cupuaçu na sobremesa e, se tiver sorte e um pouquinho de paciência, avistar uns botinhos nadando no rio.

Tacacá da Dona Maria fica no canteiro central da Av. Amazonas

Tacacá da Dona Maria fica no canteiro central da Av. Amazonas

Passear para ver de perto as alegorias durante o dia

Durante o dia, gosto muito de passear entre as alegorias que ficam estacionadas em volta do bumbódromo e imaginar como ficarão depois de montadas na arena e sob o efeito da luz cênica. Não esqueça de observar os mecanismos de movimentação de braços, cabeças, boca, sobrancelhas das criaturas, tudo feito com roldanas e cabos de aço, movimentados pela força dos caboclos parintinenses.

Passeio diurno para contemplar as gigantescas alegorias

Passeio diurno para contemplar as gigantescas alegorias

Passeios opcionais

Você pode procurar agentes locais e realizar passeios fluviais ao redor da ilha para apreciar a paisagem. Um passeio que pouca gente conhece é visitar a Serra de Parintins. Descendo o rio na direção da comunidade fundada por imigrantes japoneses, a Vila Amazônia, segue navegando até chegar numa comunidade onde você deve subir ao topo de um monte elevado para curtir a vista mais que privilegiada do Rio Amazonas, da floresta e da cidade de Parintins no horizonte.

Eu em 2005, no alto da Serra de Parintins, reparem no tamanho da casa de caboclo lá embaixo

Eu em 2005, no alto da Serra de Parintins, reparem no tamanho da casa de caboclo lá embaixo

Passeio opcional de lancha ao redor da ilha de Parintins

Passeio opcional de lancha ao redor da ilha de Parintins

Bumbódromo

É na arena onde a ópera acontece. Construído especialmente para o Festival Folclórico de Parintins que, ao contrário do que muita gente pensa, não se trata apenas das apresentações dos bumbás Caprichoso e Garantido, mas de um festival que engloba uma série de danças folclóricas que acontecem, no mesmo local, alguns dias antes das apresentações dos bois. Em forma de “cabeça de boi”, comporta até 16 mil pessoas e é dividido nas duas cores dos bumbás.

Conjunto alegórico na apresentação do Boi Caprichoso

Conjunto alegórico na apresentação do Boi Caprichoso em 2015

Compras

Na hora de voltar, ninguém pode sair sem as lembrancinhas. Turistas de primeira viagem não podem deixar de passar na QBoi, a loja quase oficial de souvenirs dos bumbás de Parintins. Fica pertinho do porto, de uma central de artesanato e de uma feirinha. Barraquinhas de artesanato também tomam conta da praça que fica em frente ao mercado. Não esqueça de visitar a área do artesanato indígena no centro da pracinha, sempre com muita coisa diferente.

Parintins é muito mais do que essas poucas linhas e fotos, ela é um universo de experiências. Posso afirmar sem medo que é a cidade que tem a maior concentração de artistas por metro quadrado do Brasil. Se ainda não foi, não deixe de ir. A beleza da festa é ofuscada pela transmissão na TV, mesmo que fosse através das câmeras 4K de uma TV japonesa. Antes de mais fotos, aproveito para encerrar com a letra da toada “No Compasso da Emoção” que retrata com perfeição um pedacinho da festa, música de Paulinho Dú Sagrado e Warnei Maia.

Ao longe ouvi ressoar
Os tambores do Boi Garantido
Chamando outra vez o seu povo aguerrido
Pra um novo duelo travar
Bandeiras se agitam no ar
Onde ecoa um canto bonito
Da minha galera
Em pleno delírio ao ver seus brincantes
Na arena chegar
Rufa, ribumba tambor faz tremer este chão
Bate meu coração no compasso da emoção
Reina meu Boi Garantido
Maior dos bumbás
Mostra pro mundo esta festa
Dos tupinambás

Alegoria no festival, criatividade e engenhosidade do caboclo (foto: Rubens Alves)

Alegoria no festival, criatividade e engenhosidade do caboclo (foto: Rubens Alves)

Boi Garantido a postos para evoluir (foto: Rubens Alves)

Boi Garantido a postos para evoluir (foto: Rubens Alves)

Tribo coreografada forma um coração na arena (foto: Rubens Alves)

Tribo coreografada forma um coração na arena (foto: Rubens Alves)

Curumin no pavilhão central da Praça do Mercado Municipal

Curumim no pavilhão central da Praça do Mercado Municipal